Que horas são?

domingo, 8 de janeiro de 2012

                                                                               Céu da Praia de Torres-RS
          



SOBRE AMOR, RISCOS, ENCONTROS E DESENCONTROS


                                                Carlos Eduardo Leal 


"Do coração sem metáforas sei pouco. Se as insiro, então sei menos ainda. É bem verdade que há outros eus que, errantes, fugiram de mim, embora outros ainda estão no prelo, mas sem nenhuma garantia. A vida é um risco, um cisco, um hibisco numa parede a gargalhar. Escrever é um risco, um cisco, um hibisco num livro a desfolhar."



"Amor: palavra que soa melhor no singular."



"Amor não se procura, se encontra"




"Simplesmente, "A vida como ela é" como dizia o Nelson Rodrigues. Ou, lembrando de Clarice Lispector em "A Paixão Segundo G.H.", "mas veja, meu amor, a verdade é o que é. Ela não pode ser nem boa nem má". A verdade sobre o amor é o que é. Claro que há encontros e desencontros, entradas e ruínas, castelos e barracas à beira mar. Só acho que quem espera, (des)espera.
"Tá provado, quem espera nunca alcança", Chico Buarque, ou, "quem sabe faz a hora não espera acontecer". Ou "o amor é uma pedrinha rindo ao sol" Guimarães Rosa. Ou ainda, "Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura" (G. Rosa). Pois é, mas o amor também pode enlouquecer..." 



CARLOS EDUARDO LEAL

Psicanalista e escritor.
Autor de "Fragmenta" e "A sede da mulher"(poesia).
Romances: "O nó górdio" e "A última palavra"







2 comentários:

  1. Indagações, divagações, delírios...
    Não dá pra definir, mas quando acontece...
    Todas as palavras se tornam desnecessárias. Ou inúteis!

    ResponderExcluir
  2. Sentir é preciso! Obrigada, beijo!

    ResponderExcluir